Com novo comando no Amapá, Funasa promete revolucionar saneamento no estado

Servidores do quadro público federal há 30 anos, os últimos 10 dedicados à Fundação Nacional da Saúde (Funasa), a professora, teóloga e especialista em educação ambiental e sustentabilidade Girlene Picanço Chuvre tomou posse em Brasília e assume na quarta-feira (28) o comando do órgão no Amapá.

Conhecedora da realidade do estado, Girlene afirmou na manhã desta segunda-feira (28) no programa LuizMeloEntrevista (DiárioFM 90,9) que a Fundação tem muito dinheiro disponível, mas não dispõe de corpo técnico disponível, como também as prefeituras se ressentem da falta de pessoal especializado para elaborar projetos e acessar os recursos.

Para superar esses obstáculos, a nova superintendente disse que está buscando parcerias com vários órgãos e prometeu revolucionar a promoção da saúde e o setor de saneamento nos 16 municípios amapaenses através da utilização de novas tecnologias. “Temos uma missão árdua, porque a Funasa tem como missão promover a saúde e a inclusão social através de ações de sanemento e saúde ambiental; admito que tivemos situações delicadas no passado, porém chegou o momento de soerguer a Funasa e nós, servidores da casa, estamos comprometidos com essa missão”, pontuou.

Perguntada se a Fundação possui corpo técnico suficiente para o desenvolvimento dos trabalhos, ela respondeu negativamente, mas revelou que está buscando parcerias para superar esse problema: “Com essa nova atuação da Funasa, que antes atendia a endemias, temos também como responsabilidade a saúde indígena; o quadro ainda não está para trabalhar essa nova atribuição, que é o saneamento. Os nossos servidores estão se aposentando, ano que vem mais 10 vão se aposentar, fora as aposentadorias previstas para este ano. Por conta disse nós estamos providenciando parcerias com o Pescap, Sebrae, Caesa, Vigilância Sanitário e governo do estado, porque não tem como a Funasa trabalhar sozinha, considerando que não atendemos Macapá e Santana, mas nós atendemos todas as comunidades rurais desses e a totalidade dos demais 14 municípios”.

Girlene falou sobre uma nova tecnologia que está sendo usada pela Funasa para tratamento de água: “Estamos trabalhando uma tecnologia social, a Salta-Z (detalhes abaixo), que é uma solução alternativa coletiva simplificada para tratamento de água para consumo humano; temos dois mananciais, os rios e os poços amazônicos; a gente retira água do rio, que passa por um processo bem simples e a gente entrega água potável às comunidades; inclusive esse sistema já funcionando, fizemos a implantação de um projeto piloto no município de Tartarugalzinho e outras comunidades já estão recebendo, como o Apurema e Laranjal do Jarí, que sofre as conseqüências das enchentes”.


Salta-Z A Funasa no Amapá recebeu no dia 8 de fevereiro deste ano 82 unidades da Solução Alternativa, Coletiva, Simplificada de Tratamento de Água para Consumo Humano (Salta-Z), destinado a fornecer água tratada para as comunidades ribeirinhas, como forma de reduzir os problemas de saúde nas localidades.

Todos os 16 municípios serão contemplados com a Salta-Z, sendo mais de 82 localidades beneficiadas pela tecnologia implantada. Com a implantação da Salta-Z o Amapá segue os passos para a universalização do saneamento básico, através da participação efetiva das prefeituras nas ações voltadas para o setor.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo